Saltar para o conteúdo
7,7
Média
148 votos
?
Sua nota
Direção
Pedro Almodóvar
Roteiro:
Pedro Almodóvar
Gênero:
Biografia, Drama
Origem:
Espanha, França
Estreia:
13/06/2019
Duração:
113 minutos
Prêmios:
72° Festival de Cannes - 2019, 77º Globo de Ouro - 2020, 92º Oscar - 2020

Lupas (21)

  • O filme todo é bem feito e envolvente, mas a história corre em pequenos contos que não são essenciais pois não há uma trama principal. Se significativo para Almodóvar (e fans), para o público geral falta um motivo para ver a história.

    Cássio Fassbender Bartz | Em 23 de Junho de 2020 | NOTA: 7.0
  • É nas noites em que várias dores coincidem que eu acredito em Deus e rezo para ele. Nos outros dias em que sinto só um tipo de dor, eu sou ateu, e choro

    Edward Jagger DeLarge | Em 24 de Maio de 2020 | NOTA: 10.0
  • "Estréia no cinema da vencedora do Grammy Latino Rosalía. Ela interpreta uma das amigas de Penélope Cruz durante a cena do rio, onde também canta."

    LUCIANO BAHIA | Em 25 de Abril de 2020 | NOTA: 8.0
  • Legalzinho. Banderas nao deveria estar na lista de atores e sim Adam Sandler

    Gabriel Cine | Em 23 de Abril de 2020 | NOTA: 5.5
  • Um dos filmes intimistas mais lindos que já vi. A dor pode ter sua origem física sim, tal qual o Filho que se faz carne. Mas é na alma que ela penetra. Entre encontros e desencontros, restam as lembranças, a solidão, até mesmo as drogas. Viver é estar sempre se encontrando consigo mesmo, e com os outros, que só fazem sentido em relação a nós mesmos. E tudo isso ainda pode ser revertido em arte, mais especificamente em cinema, para nosso deleite e agradecimento.

    Alan Nina | Em 30 de Março de 2020 | NOTA: 9.5
  • Delicado e emocionante. Desempenho contido e convincente de Banderas.

    Clodio Pereira de Almeida | Em 03 de Março de 2020 | NOTA: 8.0
  • Mesmo contido na costumeira originalidade, Almodóvar consegue por na obra suas boas ideias, no entanto, o roteiro ficou enfadonho, talvez pelo excesso de subtramas, que acabam perdidas em meio à montagem entrecortada, com cenas longas e desnecessárias, alternando com cortes rápidos e inconclusivos. O que ameniza isso é sua direção sensível (como sempre), que extrai interpretações convincentes (embora bastante teatrais) de um bom elenco, com diálogos precisos; porém, sem emocionar.

    Gilberto C. Mesquita | Em 23 de Fevereiro de 2020 | NOTA: 6.0
  • Almodóvar foca em um cinema de lembranças e meta-linguagem, umas espécie de testamento cinematográfico onde o diretor não tem o menor pudor em se colocar em cena através de seu alter-ego e demonstrar toda sua fragilidade como ser humano. Se falta um pouco de fluidez sobra em um texto delicioso e em sua estética requintada.

    Eliezer Lugarini | Em 05 de Fevereiro de 2020 | NOTA: 8.0
  • Sesc, 28-01-2020

    Davi de Almeida Rezende | Em 29 de Janeiro de 2020 | NOTA: 4.0
  • Poético, singelo e emocionante.

    Caio César | Em 12 de Janeiro de 2020 | NOTA: 10.0
  • Sou um pouco suspeito para dizer algo sobre qualquer filme do Almodóvar porque em termos pessoais é o diretor que mais me encanta. Suas cores, seus ângulos e sobretudo seu roteiro é absurdamente íntimo em Dor e Glória talvez por isso seja seu trabalho com mais alma e sensibilidade apesar que meu predileto ainda ser Fale com Ela de 2002.

    Rodrigo Miranda de Andrade | Em 08 de Janeiro de 2020 | NOTA: 8.5
  • É Almodóvar não só revisitando histórias marcantes na infância e a poderosa relação com a mãe, tão presente em suas obras. É Almodóvar revisitando si próprio, seja pelo lado profissional, artístico seja pelo lado pessoal, amoroso. Com ótima perfomance de Banderas, vemos suas memórias trazendo o melhor e o pior para a vida atual que Salvador leva. Uma crise com drogas, dores no corpo de um lado, e o reconhecimento de criar grandes obras do outro. Sensível.

    Eduardo Percequillo Freire de Souza | Em 07 de Janeiro de 2020 | NOTA: 7.5
  • Almodóvar acerta na delicadeza que exprime a alma de seu personagem, com um forte teor autobiográfico ele atinge não só o cineasta e o personagem, mas faz cinema puro, onde um se mistura com o outro através do audiovisual e das memorias. Uma carta de amor tanto ao cinema (e seu próprio cinema), as pessoas que passaram em sua vida e a si mesmo.

    Leonardo Ferreira Sampaio | Em 03 de Janeiro de 2020 | NOTA: 8.0
  • O artista do filme recria as suas particularidades em sua obra, assim como Almodóvar também projeta um retratato pessoal na construção desse artista, rendendo o seu filme mais íntimo. O passado no filme não apenas cria um diálogo com o presente, mas também se reencontra com o próprio agora, mostrando toda a sua força ao mover a vida a partir de reencontros que dão um novo brilho a este presente. É o passado sendo materializado, e a vida como um todo sendo exaltada.

    César Barzine | Em 23 de Dezembro de 2019 | NOTA: 8.0
  • Em "Dor e Glória", Pedro Almodóvar realiza uma contemplação de suas memórias, das experiências que o moldaram, de sua vida enquanto artista, homem, filho, amante. A presença da arte é fundamental como expiação, significado e beleza. Pode-se dizer que ele representou seu "Oito e Meio". Antonio Banderas está fantástico!

    Zacha Andreas Lima | Em 26 de Outubro de 2019 | NOTA: 8.0
  • Esse Almodóvar não rolou comigo, e na verdade o último que eu gostei foi A Pele que Habito, que por sinal, é acima da média.

    Araquem da Rocha | Em 21 de Setembro de 2019 | NOTA: 5.0
  • Almodóvar bem mais intimista e singelo, usando memórias para tentar compreender os infortúnios do presente e seguir em frente.

    Bruno Ricardo de Souza Dias | Em 13 de Setembro de 2019 | NOTA: 7.5
  • É uma delícia para o fã quando um dos grandes, nessa fase da vida, resolve caprichar num retrato autobiográfico e revisionista da sua carreira e estética, ainda mais com todas as dificuldades reais que Almodóvar passou. Antonio Bandeiras, parceiro de longa data, encarna seu alter-ego com charme e semelhança. Um belo roteiro que contrapõe a velhice e a infância, com muito melodrama (claro) e diálogos e personagens deliciosos. O twist do final foi a cereja do bolo!

    Josiel Oliveira | Em 31 de Julho de 2019 | NOTA: 9.0
  • Incrível como uma jornada pessoal, tratada de maneira autoral, se revela tão identificável e sensível. Almodóvar exercita seu ego, mas também se expõe, trabalha suas fraquezas, demonstra evolução, trata com carinho imenso as figuras que o entornam e brinca com o melodrama, carregando uma surpresa a cada cena. É cinema, é vida.

    Guilherme Algon | Em 21 de Junho de 2019 | NOTA: 8.0
  • Almodóvar expõe aspectos de sua vida em uma narrativa que, como era de se esperar, se divide em diversas camadas estruturais conectadas de forma inteligente e abusa de elementos ficcionais que elevam o drama e o vazio dos personagens sem nunca, desta vez, chegar ao tom por vezes patético que se desenhava em trabalhos anteriores. Pedro Banderas, desde sua caracterização e de seu aprimorado trabalho corporal, consegue dar forma à melancolia e à crueza que o personagem representa.

    Victor Tanaka | Em 16 de Junho de 2019 | NOTA: 8.0