Saltar para o conteúdo
7,6
Média
208 votos
?
Sua nota
Direção
Roteiro:
James Gray, Ethan Gross
Gênero:
, , ,
Origem:
,
Estreia:
26/09/2019
Duração:
122 minutos
Prêmios:
92º Oscar - 2020

Lupas (35)

  • O filme é bom a partir da profundidade do personagem, do seu drama, e o que tudo desencadeou no seu psico os feitos (e "não feitos") do pai, influenciando vida pessoal e profissional... e confundido elas. Do ponto de vista da temática (espaço) e seus desdobramentos físicos achei que se bandeou demais para a ficção.

    Cássio Fassbender Bartz | Em 27 de Agosto de 2020 | NOTA: 8.0
  • Pitt em uma grande atuação em uma história envolvente.

    Kayo Baptista Carlos | Em 03 de Julho de 2020 | NOTA: 8.0
  • 09/06/2020.

    Alexandre | Em 10 de Junho de 2020 | NOTA: 8.0
  • Com a falta de ideias originais, Hollywood vem usando a tática de misturar roteiros mais antigos, inserindo simbologismos existencialistas, o que deixa o filme com uma roupagem nova. Aqui, Gray se utiliza desse truque, incrementando o projeto com efeitos especiais de alta qualidade, mas o conteúdo continua sendo nulo. A 1a metade (só uma longa introdução) tem um contexto que se sustenta, já a 2a, é só arte visual inconsistente (que astronauta animal atira dentro da própria cápsula de comando?).

    Gilberto C. Mesquita | Em 28 de Maio de 2020 | NOTA: 5.0
  • É o confronto do homem com seu destino cósmico, como esse extraordinário cineasta já havia mostrado em sua obra-prima, Era Uma Vez em Nova York, de 2013, e no mais recente Z – A Cidade Perdida, de 2016.

    Edward Jagger DeLarge | Em 24 de Maio de 2020 | NOTA: 3.0
  • Uma tentativa válida em ser um filme de astronauta com uma pegada de filme de profundidade psicológica. Há uma metáfora válida sobre a imensidão da solidão mas confesso que o dilema do astronauta me parece um tanto superficial. Extremamente bem realizado cinematograficamente falando.

    Eliezer Lugarini | Em 11 de Maio de 2020 | NOTA: 6.5
  • O mais perto que chegamos de 2001 até agora. Belo e intimísta, e, ao contrário de Interstellar, não se preocupa e ser didático para dar enfoque à busca existencial de Roy. Filmaço.

    Filipe Dela Valle | Em 10 de Maio de 2020 | NOTA: 9.5
  • Genérico. Faz recortes de filmes como Gravidade (2013 - caminhada e acidente espacial), Interestelar (2014 - narração em primeira pessoa, salvar o planeta, relação familiar), e, principalmente, O Enigma do Horizonte (1997), cujo o argumento (nave perdida, comandante louco) é praticamente idêntico, até o planeta Netuno. Deve ter mais se for analisar com calma. É a indústria de reciclagem de Hollywood, que só engana alienados. E ainda tem maluco procurando filosofia na parada! Now, 07-05-20.

    Davi de Almeida Rezende | Em 08 de Maio de 2020 | NOTA: 5.0
  • o vazio e a escuridão do universo são retratadas com maestria, enquanto acompanhamos Roy se colocar na mais extrema das solidões para conseguir entender a importância de romper com o passado e de criar novos vínculos. o perfil lento e divagativo típico de Gray continua presente, com um material que o justifica e o potencializa

    Olivio Gavassi Netto | Em 03 de Maio de 2020 | NOTA: 8.0
  • Esperava mais do filme, más tem momentos bons, lembra Gravidade em certas cenas, a sensação de estar sozinho é incomoda em algumas cenas, o que é bom pois é a ideia do filme.

    Constantino Junior | Em 20 de Abril de 2020 | NOTA: 6.5
  • Filme ruim com força. Dá até preguiça discorrer sobre o ocorrido. Me preocupa profundamente a humanidade ter chegado ao ponto de existirem indivíduos que enxerguem qualidades nesse troço. Piegas pacas! Mas, vai lá, veja você mesmo carinha ;-)

    Thiago B | Em 27 de Fevereiro de 2020 | NOTA: 0.0
  • SPOILER Não faz o menor sentido a mulher em Marte fazer tanta questão da presença do Brad Pitt naquela nave, a tripulação estava indo explodir tudo de qualquer forma. Não faz o menor sentido o pai dele ficar depressivo por sei lá quantos anos e esperar o filho chegar para se matar (filho que ele n ligava a mínima). É risível o Brad Pitt matar trocentos membros da tripulação "sem querer". Na boa, até o meio, o filme estava excelente. Foi ele pisar em Marte que o roteiro se perdeu. UMA BOSTA.

    Marcelo F. O. | Em 07 de Fevereiro de 2020 | NOTA: 3.5
  • Ah se "Interestellar" fosse assim!O filme do Nolan ao tentar ser fiel à física nos trata como imbecis em seu roteiro fabricado em cima de teorias. Aqui tudo o que é "científico" num futuro recente, é risível; mas como cinema é belo e possui uma jornada que, apesar de dejá vu, é tornada interessante pela instrospecção da busca interior, apesar do excesso de voice-over, o que sempre deixa a boa pretensão crescente de Gray em ser megalomaníaco "on the edge of the over-the-top".

    CitizenKadu | Em 18 de Janeiro de 2020 | NOTA: 9.0
  • Grande porcaria.

    Leandro Mesquita | Em 16 de Janeiro de 2020 | NOTA: 3.0
  • Filme tinha tudo pra dar certo, mas fica impressão que se perderam no roteiro do meio pra frente.

    Rodrigo Carlos de Souza | Em 12 de Janeiro de 2020 | NOTA: 7.0
  • A 1a metade é uma ficção científica de altíssimo nível, em nível subjetivo falando de militarismo e existencialismo (o q conversa mto c/nossos a atualidade) e projetando um cenário rico e plausível, como na ocupação da Lua (de cair oqueixo a cena de ação a lá Mad Max s/gravidade!). A 2a metade trata c/mta beleza o lance da exploração espacial e esse lance da busca pelo pai a lá Apocalypse Now, a pegada existencial intensifica e as cenas no espaço são puro deleite. Uma das OPs do ano e do gênero.

    Josiel Oliveira | Em 06 de Janeiro de 2020 | NOTA: 9.0
  • Não tem um ritmo tão legal nos dois primeiros atos. Já o terceiro é uma obra-prima. Apego, fé, solitude, amor, convívio. Tudo isso discutido na órbita do planeta Netuno.

    André Oliveira de Araujo Ferreira | Em 02 de Janeiro de 2020 | NOTA: 8.0
  • Só eu não curti tanto assim, super estimado, inferior aos excelentes "Lunar", "Gravidade" e "Perdidos em Marte", lento e alguns momentos entendiante, ou estava muito além da minha vibe, ou eu que estou aquém mesmo...

    Rosana de Almeida Machado | Em 01 de Janeiro de 2020 | NOTA: 6.5
  • Um filme sobre apego e o peso em torno dele, principalmente quando somos traídos pelas surpresas da vida, que nos obriga a repensar sobre ela e a superar. As ligações afetivas que se concretizam, primeiro na busca em meio ao infinito, depois pela vida na terra; o primeiro termina em tragédia e o segundo em promessa. O final é um discurso sobre a vida em meio a meditações sobre as relações de afeto.

    César Barzine | Em 18 de Dezembro de 2019 | NOTA: 8.0
  • Ficção científica que caminha pelo existencialismo, de narrativa contemplativa e forte carga emocional. Fala sobre o sentido das coisas, a herança familiar, o tormento da consciência, as experiências que nos definem, os traumas de uma vida. Do que engrandece e manifesta a natureza humana. O homem que vai aos confins do espaço para encontrar a si mesmo. Do ponto de vista técnico é um primor, composição visual de encher os olhos, rica em simbolismos e envolvente. Um grande acerto de James Gray!

    Zacha Andreas Lima | Em 10 de Dezembro de 2019 | NOTA: 8.0