Saltar para o conteúdo
?
Sua nota
Direção
Steven Spielberg
Roteiro:
Tony Kushner (roteiro), Arthur Laurents (livro), William Shakespeare (obra de inspiração)
Gênero:
Drama, Musical, Policial, Romance
Origem:
Estados Unidos
Estreia:
09/12/2021
Duração:
156 minutos
Prêmios:
94º Oscar - 2022, 79º Globo de Ouro - 2022

Filmes Relacionados

Lupas (12)

  • Um verdadeiro besteirol melodramático. Sem dúvidas um dos piores musicais que já assisti, montagem terrível. Uma música a cada 2 minutos.

    Moisés Costa Lins | Em 27 de Fevereiro de 2024 | NOTA: 3.0
  • Tecnicamente Spielberg consegue dirigir os atores de forma excepcional, num caos urbano que torna tudo muito orgânico (ainda que eu prefira as cores mais fortes do primeiro). Tem apenas lapsos de atualização narrativa, o que é uma pena, pois assim o roteiro não consegue, mais uma vez, sair da superficialidade. O plot final é meio frio, raso, apressado. Achei que os porta riquenhos ficaram meio apagados, desperdiçando as tiradas sobre migrantes e xenofobia, que poderiam elevar o filme.

    Alan Nina | Em 10 de Julho de 2022 | NOTA: 7.0
  • Está no mesmo nível do primeiro.

    Gabriel Cine | Em 04 de Abril de 2022 | NOTA: 7.0
  • Tão anacrônico quanto belo. Um filme corajoso, que seria bem mais interessante se tivesse uma ousadia para se desprender do espelho que foi colocado na frente para simular o seu original.

    Wellington Junior | Em 23 de Março de 2022 | NOTA: 7.0
  • Spielberg é um eterno apaixonado pelo cinema clássico e realiza aqui, com seu característico exímio técnico e narrativo, uma interessante releitura do clássico de 1961, onde dialoga com questões mais atuais, ao mesmo tempo em que reproduz com extrema precisão o período retratado, seus dilemas e questões universais. Ótimas atuações, coreografias enérgicas, trilha sonora contagiante, cores vibrantes e belas canções completam o pacote de luxo.

    Luiz F. Vila Nova | Em 18 de Março de 2022 | NOTA: 8.0
  • Há uma quebra de expectativa lá pela sua metade pois o filme decide destroçar o coração do expectador transformando o romance que a princípio parecia suave em cenas violentas e com forte carga dramática. Mesmo contendo uma breve falha de harmonia entre os personagens principais, as belas coreografias somadas à voz poderosa de Rachel Zegler elevam a equação a resultados positivos.

    Rafael Costa | Em 15 de Março de 2022 | NOTA: 7.0
  • Indicação ao Oscar de melhor filme de uma forçada, já perde na falta de originalidade, os outros quesitos tudo bem, mas na disputa da categoria Filme nem merece menção honrosa, musical chatinho que só... E longo... Muito longo .. Muita música... Boring... Muito poético, quase uma ópera...

    Rosana Botafogo | Em 13 de Março de 2022 | NOTA: 7.0
  • - 83º filme de 2.022: visto em 06/03 (o 05º filme do ano visto no Disney+)... - Bom... - A história, uma releitura de Romeu s Julieta, é boa, o que estraga o filme é o fato de ser um musical, que o tornou extremamente e desnecessariamente longo, com números musicais que chegam a dar sono! Tem o mérito de revelar a belíssima Rachel Zegler, mas não merecia estar entre os finalistas ao Oscar/2.022! Vale uma sessão! E só...

    Thiago Soares Mota | Em 09 de Março de 2022 | NOTA: 7.0
  • Tem a estética clássica com o discurso mais moderno, porém carece de mais paixão, emoção. A encenação sobressai e o carisma se perde, deixando tudo operante e pragmático. Mesmo o domínio cênico de Spielberg pouco inspira. História longa e, ainda assim, superficial.

    Guilherme Algon | Em 08 de Março de 2022 | NOTA: 6.0
  • Admiro as opções de Spielberg primeiro em manter o visual fotográfico e segundo por manter as canções da forma que foram concebidas originalmente, já que qualquer boboca do cinema atual optaria por caminhos mais idiotamente comerciais especialmente no que concerne à música teen atual. Por outro lado fica no ar a pergunta; qual o sentido de refazer o filme original de cabo a rabo?

    Eliezer Lugarini | Em 06 de Março de 2022 | NOTA: 6.0
  • Spielberg mostra seu talento com as câmeras em muitos momentos e coloca novamente discussões atuais na tela, algumas importantes e outras nem tanto, mas sua refilmagem do clássico de 1961 pouco acrescenta pra quem já não gostava tanto do original como eu. Coadjuvantes brilham mais que os protagonistas.

    Bruno Ricardo de Souza Dias | Em 15 de Dezembro de 2021 | NOTA: 6.0
  • Por ser um projeto altamente pessoal, Spielberg parece se ater à fórmula que pouco a distingue em essência, cores e alma do clássico de 1961. Se por um lado, as sequências são bem conduzidas, é difícil não observar o tom genérico adotado pelo diretor que parece ter receio de atualizar o assunto. No fim, apenas Ariana DeBose merece aplausos por ser a única que recria uma personagem de modo ousado e eficaz.

    João Vitor G. Barbosa | Em 14 de Dezembro de 2021 | NOTA: 6.0