Saltar para o conteúdo
7,1
Média
123 votos
?
Sua nota
Direção
Spike Lee
Roteiro:
Spike Lee, Danny Bilson, Kevin Willmott, Paul De Meo
Gênero:
Drama, Guerra
Origem:
Estados Unidos
Duração:
154 minutos
Prêmios:
93º Oscar - 2021

Lupas (19)

  • Alguém bane esse Gilberto?. Mais o filme é bem fraquinho mesmo

    Jackie | Em 22 de Novembro de 2021 | NOTA: 5.0
  • É o velho Spike Lee, atirando em todas as direções (literalmente, na maioria das cenas) e, como sempre, não acertando em nada. Sua preocupação em exorcizar Trump e os republicamos é maior que sua capacidade criativa e, assim, o que resta de roteiro é um amontoado de velhos clichês ideológicos, reinventados a exaustão pela nova guarda hollywoodiana, misturados ao ativismo militante do diretor, em cenas desnecessárias, que tornam o filme inconsistente, ilógico, interminável e enfadonho!

    Gilberto C. Mesquita | Em 17 de Novembro de 2021 | NOTA: 0.0
  • Dos que já vi de Spike Lee foi o que menos gostei. Muitas "pontas soltas" com alguns personagens e diálogos sem sentido.

    Mário Cláudio Simões | Em 05 de Junho de 2021 | NOTA: 6.5
  • Menos atraente do que esperava, algumas boas cenas, geralmente as que envolvem o filho, a primeira metade entediante, a parte da selva clichê, entretanto mais envolvente, recheado de falas de personalidades negras, e fotos homenagens a mortos na guerra, um lindo filme, mas que não me atraiu como gostaria... Valeu pelo aporte ao movimento Black Lives Matter, com várias referências e citações através do gesto de punhos cerrados erguidos... #VidasNegrasImportam

    Rosana Botafogo | Em 21 de Março de 2021 | NOTA: 7.5
  • Logo de cara é possível notar um dos maiores problemas desse filme: a edição. Em muitos momentos (principalmente no começo), a grande bagunça que é a edição desse filme afasta muito o espectador e gera desinteresse. O roteiro colabora com isso ao tentar discutir vários problemas e se perdendo nisso. Falta carisma em quase todos os atores, sendo que muitos interpretam personagens totalmente esquecíveis. Em meio a tantos problemas, a ótima atuação de Lindo é um dos poucos destaques positivos.

    Vinicius Garcia | Em 13 de Janeiro de 2021 | NOTA: 4.0
  • Ruim não é, mas é um filme que muitas vezes perde o foco, acaba em um ritmo arrastado e pese a mão no tom panfletário

    Daniel Lucena | Em 15 de Setembro de 2020 | NOTA: 7.0
  • É o Cinema agressivo e provocante de Spike Lee. Tem momentos que são um soco no estômago, uma exposição da face suja e imoral dos EUA, da estupidez de um "american way of life" que não vale para todos. Uma pena que na reta final o filme decline um pouco, perca energia, se alongue demais. De qualquer forma, é de grande importância em tempos de bizarrices do passado ocupando a Casa Branca.

    Zacha Andreas Lima | Em 24 de Julho de 2020 | NOTA: 7.0
  • Mesmo faltando sutileza na sua primeira parte (o que era necessário para criar a conexão dramática) este novo filme do Spike Lee se mostra acima da média, além de um Delroy Lindo monstruoso em cena. Até o momento em que ficam encurralados com o ouro, a edição é bagunçada (tem até erros de continuidade, p.e, a corda atada que desaparece entre cenas), mas depois as reviravoltas tarantinescas engrandecem o filme. E claro sua mensagem antibelicista e antirracista soam sempre contundentes e urgentes.

    Alan Nina | Em 19 de Julho de 2020 | NOTA: 7.5
  • A alta expectativa deixada pelo trabalho anterior de Lee é a maior aramadilha em que o espectador deste pode cair. Atirando para vários lados a esmo, o realizador não dá conta das ramificações que apresenta e as partes não formam um todo coeso. Há que se destacar a atuação de Lindo, de longe, o mais brilhante de todo o elenco.

    Patrick Corrêa | Em 13 de Julho de 2020 | NOTA: 6.5
  • Spike Lee sempre nos tira da zona de conforto para revisitar temas sempre importantes e de óticas diferentes. Infiltrados segue sendo meu favorito mas este também é muito bom. Um pouco arrastado no início mas bem eficaz em sua metade final com boas surpresas de roteiro. Destaque para a edição, trilha sonora e grande atuação do Delroy em monólogos certeiros.

    Rodrigo Miranda de Andrade | Em 12 de Julho de 2020 | NOTA: 8.0
  • Marvin Gaye, Apocalypse Now, Marlon Brando, Malcom X, Martin Luther King, Black Lives Matter, hipocrisia americana, Vietnã. Dessa mistura ampla e assustadora, Spike Lee entrega um filme tão marcante e importante quanto seu antecessor, Infiltrados na Klan. Talvez o diretor aqui abuse de eventos históricos para dar força ao enredo que às vezes parece se arrastar. Mas, pouco importa: Destacamento Blood é cinema autoral, provocador e necessário.

    Guilherme Vergara Marçal de Freitas | Em 01 de Julho de 2020 | NOTA: 8.5
  • Spike Lee infelizmente não tem aqui apenas seu pior filme, mas um dos maiores circo de horrores que eu já vi. Aqui temos uma reunião de antigos amigos, uma complicada relação de pai e filho, uma crítica racial dentro de um contexto de guerra e até as relações internacionais dos EUA. Existe ainda um grupo anti-bombas, uma filha perdida de um relacionamento com uma prostituta.....são tantos tiros de desespero por fazer uma obra relevante que chega a ser embaraçoso o mico de falhar em todas elas.

    Eduardo Percequillo Freire de Souza | Em 23 de Junho de 2020 | NOTA: 2.0
  • Satirizando clichês narrativos da filmografia patriótica de ação norte-americana, o cinema de Spike Lee perdura como grito envolto ao meio, sagrando a sétima arte ao mesmo tempo que a critica, com toda sua pretensa ideologia nociva e os vícios que a contaminaram. Os Bloods crescem como unidade e coletivo, contextos superficiais assumem contornos complexos e o discurso ficção/documental crava uma obra como atemporal, por ser fruto de seu tempo. Black Lives Matter.

    Guilherme Algon | Em 22 de Junho de 2020 | NOTA: 8.0
  • Tem algo de muito estranho em Destacamento Blood, talvez por um desleixo nítido de roteiro, por atuações um tanto embaraçosas (exceto de Delroy Lindo) ou por uma bagunça generalizada que Spike Lee concebe entre flashbacks forçados e recortes históricos desmedidos. Sobra uma boa referência à Holocausto Canibal e a sempre bem-vinda visão de Spike Lee sobre o racismo onde o ódio é disseminado de todos os lados, nenhuma vitima e todos culpados.

    Eliezer Lugarini | Em 22 de Junho de 2020 | NOTA: 5.0
  • A retidão e sobriedade política q o Spike Lee tem são notáveis (embora haja traços de estereotipação do Vietnã). Um filme essencialmente antibélico, onde o discurso de Lee se reflete mto no falecido Norman, rola uma paródia style de Apocalypse Now, e é muito interessante o retrato q ele cria do trumpminion no personagem Paul q rouba a cena no filme. Não é o mais popular de seus filmes, é um filme mais intelectualizado vamos dizer, de um Spike Lee mais maduro. Bastante relevante pros nossos dias.

    Josiel Oliveira | Em 21 de Junho de 2020 | NOTA: 8.0
  • Nem todas escolhas de Lee são perfeitas, mas suas questões abordadas sempre questionadoras chocam, provocam e escancaram problemas raciais que se parecem insolúveis, mas que nunca podem ser esquecidos. Delroy Lindo está muito bem.

    Bruno Ricardo de Souza Dias | Em 20 de Junho de 2020 | NOTA: 7.5
  • Os monólogos na floresta são o ponto alto do filme, fora a força das imagens que Lee sempre impulsiona com suas conclusões, mas fora isso é uma bagunça completa. Longa duração a troco de nada, personagens pouco cativantes e narrativa zero interessante. Pincela críticas sempre válidas à política (seja de qual época), às guerras e, claro, à situação racial, mas dessa vez fica tudo meio eclipsado pela qualidade duvidosa da história.

    Victor Narciso | Em 19 de Junho de 2020 | NOTA: 5.0
  • Não é só um filme ser recheado de mensagens importantes que ele se sustenta como obra. Lee se conecta bem nos temas de forma periférica, mas quando tem que realmente lidar com eles falta delicadeza, profundidade e até qualidade de direção mesmo. Sendo, além de tudo, muito chato. Rodeado de atuações (menos Lindo, que está fantástico) canastronas e forçadas, um roteiro encharcado de conveniências, uma direção de arte/fotografia caricatas e uma direção sem graça. Importante, mas muito mal-acabado.

    Leonardo Ferreira Sampaio | Em 17 de Junho de 2020 | NOTA: 3.0
  • Abaixo do esperado, mas ainda assim, fantástico. E talvez seja o filme de maior destaque em 2020.

    Mateus da Silva Frota | Em 13 de Junho de 2020 | NOTA: 7.5