Saltar para o conteúdo

Notícias

Karim Ainouz arrebata Cannes

Pra que acompanha o Festival de Cannes, sabe que a Un Certain Regard é a principal mostra paralela do festival e que sua premiação acontece um dia antes da competição central. E a presidente Nadine Labaki foi completamente favorável ao Brasil nessa sexta, concedendo o prêmio de melhor filme a 'A Vida Invisível de Euridice Gusmão', o novo filme de Karim Ainouz e cravando essa vitória pro Brasil em um ano muito relevante pro país no Festival.

A premiação, que também contemplou grandes nomes do cinema, como Albert Serra, Christophe Honore, Chiara Mastroianni e Bruno Dumont, consagra o cineasta que estreou na mesma mostra de Cannes há quase 20 anos atrás com 'Madame Satã', e agora alcança o lugar mais alto do podium com essa produção de Rodrigo Teixeira, estrelada por Carol Duarte, Julia Stockler, Gregório Duvivier e participação de Fernanda Montenegro. O filme é baseado na obra de Martha Batalha e conta a história da separação de duas irmãs na década de 50 no Rio de Janeiro. O lançamento do filme em circuito está previamente marcado para novembro.

Para a cerimônia de amanhã, estão nas bolsas de apostas as presenças de Pedro Almodovar, Celine Sciamma, Bong Joon-ho, Elia Suleiman, Quentin Tarantino, além de ficarmos na torcida para Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles estarem na plateia vencedora desse sábado. Abaixo, os vencedores de hoje:


Filme: 'A Vida Invisível de Euridice Gusmão', Karim Ainouz 

Prêmio do Júri: 'O que arde', Oliver Laxe 

Direção: Kantemir Balagov, “Beanpole

Performance: Chiara Mastroianni, “Chambre 212”

Prêmio especial do juri: Albert Serra, “Liberté”

Prêmio especial do júri: “Joan of Arc,” Bruno Dumont

Coup de Coeur Award: “A Brother’s Love,” Monia Chokri; “The Climb,” Michael Angelo Covino

Notícias

A seleção do Cine PE

Foram divulgadas as novas datas do festival Cine PE, um dos mais tradicionais festivais do país que tinha inicialmente o dia 28 de maio como seu início agendado. Com a proximidade da data, a assessoria divulgou então que um adiamento fez com que Pernambuco se tornasse a capital de debates e encontros do cinema brasileiro a partir de 29 de julho, tendo seu término e premiação a acontecerem em 4 de agosto. 

Esses dois meses postergados foram necessários devido a reformulação da Lei de Incentivo à Cultura promovida pelo governo federal, que afetou a maioria dos eventos culturais no país, além de paralisar inúmeras produções e manifestações ligadas à sétima arte, deixando o setor em estado de alerta. 
Sandra Bertini, idealizadora e diretora do Cine PE, respondeu em coletiva e esclareceu alguns pontos, “era preciso aguardar a liberação do sistema de análise de projetos culturais para fazer a aprovação e termos o benefício fiscal federal. Essa liberação do sistema só aconteceu agora no início de maio”, acalmando os ânimos e mostrando que o festival está firme no calendário, aproveitando também para divulgar a lista competitiva do ano, tanto nos longas quanto nos curtas, e liberar números impressionantes. 
 
Os números da 23a. edição do Cine PE impactam quem acompanha o festival, e deixam felizes qualquer cinéfilo que torça pelo cinema brasileiro: foram inscritos 892 filmes, número 77,33% maior do que as 503 inscrições em 2018. Abaixo, os títulos selecionados indicam um olhar atento para descobrir pérolas ainda não lançadas da nossa produção, e um faro aguçado sobre algumas pepitas já testadas no mundo, como o documentário 'Espero Tua (Re)volta' de Eliza Capai e o curta 'Lembra' de Leonardo Martinelli. 
 
A abertura fora de competição ficou por conta de Deby Brennand e Katia Mesel, diretoras respectivamente de 'Frei Damião' e 'Parto sim!', que serão a porta de entrada para 7 dias de muitas reflexões sobre o cinema e sessões gratuitas a serem realizadas no belíssimo Cine São Luiz, um dos mais imponentes cinemas do país; entre 29 de julho e 4 de agosto, esse será o endereço do cinema no país. 

Filmes selecionados

Hors-Concurs

  • “Frei Damião, o santo do Nordeste” (PE), de Deby Brennand
  • “Parto sim!” (PE), de Kátia Mesel

Mostra Competitiva de Longas-metragens

  • “Um e oitenta e seis avos” (RJ), de Felipe Leibold
  • “Abraço” (BA), de DF Fiuza
  • “Teoria do ímpeto” (DF), de Marcelo R. Faria e Rafael Moura
  • “Espero tua (re)volta” (SP), de Eliza Capai
  • “O corpo é nosso!” (RJ), de Theresa Jessouroun
  • “Vidas descartáveis” (RJ), de Alexandre Valenti e Alberto Graça

Mostra Competitiva de Curtas-metragens Pernambucanos

  • "S/N (Sem Número)", de Renata Malta
  • "Coleção", de André Pinto e Henrique Spencer
  • "Pisciano", de Alexandre Pitanga
  • "Mulheres de fogo", de Vinícius Meireles
  • "Epígramas", de Wayner Tristao
  • "Sobre viver", de Sérgio Ferreira, Vinícius de Miranda, Marlom Meirelles
  • "Quando a chuva vem?", de Jefferson Batista

Mostra Competitiva de Curtas-metragens Nacionais

  • "É difícil de encontrar" (PE), de Sabrina Menedotti
  • "3 X melhor" (MA), de Andriolli Araújo
  • "#Procuram-se mulheres" (RJ), de Rozzi Brasil
  • "Pogrom" (RJ), de Guilherme Folly e Fernanda Cavalcanti
  • "Cor de pele" (PE), de Lívia Perini
  • "Carrero, o áspero amável" (PE), de Luci Alcântara
  • "Vinillis frutíferis" (ES), de Victor Hugo Passabon Amorim
  • "Obeso mórbido" (AM), de Diego Bauer e Ricardo Manjaro
  • "Tommy brilho" (CE), de Sávio Fernandes
  • "O mistério da carne" (DF), de Rafaela Camelo
  • "Lembra" (RJ), de Leonardo Martinelli
  • "Guará" (GO), de Fabricio Cordeiro e Luciano Evangelista
  • "A margem do universo" (DF), de Tiago Esmeraldo
  • "A pedra" (RS), de Iuli Gerbase
  • "Casa cheia" (PE), de Carlos Nigro
  • "Vivi Lobo e o quarto mágico" (PR), de Isabelle Santos e Edu MZ Camargo
  • "Só sei que foi assim" (SC), de Giovanna Muzel
  • "Apneia" (PR), de Carol Sakura e Walkir Fernandes
  • "Trip & Treasure" (RJ), de Estúdio Escola de Animação

Mostra Infantil de Cinema

  • "Detetives do prédio azul 2 - O mistério italiano", de Vivianne Jundi
  • "Meus 15 anos", de Caroline Fioratti

Notícias

A competição do Olhar


O Olhar de Cinema revelou hoje seus longas de abertura, encerramento e as mostras competitivas que farão o período entre 5 e 13 de junho próximo muito mais quente em Curitiba. Filmes premiados ao redor do mundo, pré estreias mundiais de filmes brasileiros de prestígio, lançamentos nacionais do melhor que se viu em Berlim, Rotterdam e Cinéma du Reel, entre outros, farão do Olhar mais uma vez um dos melhores festivais de cinema brasileiros, nessa oitava edição que promete ser tão boa ou ainda melhor que os anos anteriores.

Também foram anunciados o júri das mostras competitiva, da Novos Olhares e da Outros Olhares, formados por profissionais de todo mundo, como a cineasta Rita Azevedo Gomes (que também lançará por lá seu novo filme, 'A Religiosa'), a curadora Flavia Cândida, o igualmente curador Alberto Ramos, entre outros profissionais. 

Na abertura, teremos a honra de assistir 'Banquete Coutinho', um documentário com o melhor de cenas inéditas de um dos nossos maiores cineastas, Eduardo Coutinho, pra matar a saudade de um maestro que partiu prematuramente. O encerramento do Olhar estará a cargo de 'Breve História do Planeta Verde', co-produção Argentina/Espanha/Brasil, que venceu o Teddy de ficção no último Festival de Berlim. 

A seleção não decepcionou nas escolhas, incluindo diversos dos longas mais esperados da nossa cinematografia em 2019, além de uma lista privilegiada de títulos premiados e selecionados em outros festivais europeus e que terão sua primeira exibição no país através do Olhar. Do lado nacional teremos o novo longa de Letícia Simões (de 'O Chalé é uma Ilha Batida de Vento e Chuva'), o filme novo de Affonso Uchoa depois de 'Arábia', uma reunião entre Clarissa Campolina e Luiz Pretti, o premiado filme de Eliza Capai, 'Espero tua (re)volta', além de 'Indianara', documentário que acabou de ser selecionado pro ACID, em Cannes. 

Na área internacional, temos o premiado 'Entre Duas Águas' de Isaki Lacuesta, além de produções dos quatro cantos do planeta, tais como França, EUA, Bélgica, Argentina, China, Indonésia, México, Cuba, Coreia, Equador, Síria, Portugal e muitos outros. Uma seleção caprichada do melhor do cinema independente mundial, que vem tentando um espaço no nosso circuito, e que começa sua jornada no país através do Olhar, tentando novas oportunidades.

A mostra Novas Olhares busca mais uma vez um olhar diferenciado e um pouco mais experimental sobre a seleção, com opções estético-narrativas diferenciadas. Já a Outros Olhares busca observar as preocupações sociais do presente e como reverberam todas as situações envolvendo as diferenças do mundo atual e as tentativas de comunicação possíveis. Esses três grupos de filmes formam apenas uma parte de uma seleção de 130 produções que em menos de um mês estarão disponíveis no Olhar de Cinema, buscando debates e a difusão de ideias ligadas ao audiovisual, e que tende unir (como os melhores festivais) o melhor cinema ao melhor círculo de conversas. 

Abaixo, a seleção completa:

COMPETITIVA | LONGA

CASA (dir. Letícia Simões | Brasil, 2018, 94’)
CHÃO (dir. Camila Freitas | Brasil, 2019, 110’)
DE NOVO OUTRA VEZ (De Nuevo Otra Vez, dir. Romina Paula | Argentina, 2018, 84’)
DIZ A ELA QUE ME VIU CHORAR (dir. Maíra Bühler | Brasil, 2019, 85’)
ENTRE DUAS ÁGUAS (Entre Dos Aguas, dir. Isaki Lacuesta | Espanha, 2018, 136’)
FAMÍLIA DA MADRUGADA (Midnight Family, dir. Luke Lorentzen | Estados Unidos/México, 2019, 81’)
ETANGS NOIRS (dir. Pieter Dumoulin, Timeau De Keyser | Bélgica, 2018, 71’)
SEGUIR FILMANDO (Still Recording, dir. Ghiath Ayoub, Saeed Al Batal | França, 2018, 120’)
TEL AVIV EM CHAMAS (Tel Aviv on Fire, dir. Sameh Zoabi | Bélgica/França/Israel/Luxemburgo, 2018, 97’)

PRETÉRITO.IMPERFEITO (Wan Mei Xian Zai Shi, dir. Shengze Zhu | China/Estados Unidos, 2019, 124’)

COMPETITIVA | CURTA

AQUELES QUE DESEJAM (Los que Desean, dir. Elena López Riera | Espanha/Suiça, 2018, 24’)
ATALHOS/ (Atajos, dir. Daniela Delgado Viteri | Equador, 2019, 18’)
AZIZA/ (dir. Kaadan Soudade | Líbano/Síria, 2019, 13’)
ENTROPIA/ (dir. Flóra Anna Buda | Hungria, 2019, 11’)
EM CASO DE FOFO (dir. Tomás Paula Marques | Portugal, 2019, 23’)
PRESENTE/ (Kado, dir. Aditya Ahmad | Indonésia, 2018, 15’)
SETE ANOS EM MAIO (dir. Affonso Uchôa | Brasil, 2019, 42’)
THINYA (dir. Lia Letícia | Brasil, 2019, 16’)

TERRAS DO MAR/ (Tierras del Mar, dir. Azucena Losana | Argentina, Chile, 2018, 6’)

NOVOS OLHARES

A CIDADE ESCONDIDA (La Ciudad Oculta, dir. Victor Moreno | Espanha, 2018, 80’)
A NOITE AMARELA (dir. Ramon Porto Mota | Brasil, 2019, 100’)
DOMÍNIOS (Domains, dir. Natsuka Kusano | Japão, 2018, 150’)
NÃO PENSE QUE EU VOU GRITAR/ (Just Don't Think I'll Scream, dir. Frank Beauvais | França, 2019, 75’)
MS SLAVIC 7 (dir. Deragh Campbell, Sofia Bohdanowicz | Canadá, 2019, 64’)

LEVANDO DOCES AO CAVALO (Ghode ko Jalebi Khilane le ja Riya Hoon, dir. Anamika Haksar | Índia, 2018, 121’)

OUTROS OLHARES | LONGA

A COR BRANCA (dir. Afonso Nunes | Brasil, 2019, 102’)
CINZAS E BRASAS (De Cendres et de Braises, dir. Manon Ott | França, 2018, 72’)
DANIEL (Daniel Fait Face, dir. Atlan Marine | França, 2018, 60’)
ENQUANTO ESTAMOS AQUI (dir. Clarissa Campolina, Luiz Pretti | Brasil, 2019, 77’)
ESPERO TUA (RE)VOLTA (dir. Eliza Capai | Brasil, 2019. 93’)
NO ALTO DA MONTANHA (Huo Shan, dir. Yang Zhang | China, 2019, 126’)
INDIANARA (dir. Aude Chevalier-Beaumel, Marcelo Barbosa | Brasil, 2018, 84’)
NO SALÃO JOLIE (Chez Jolie Coiffure, dir. Rosine Mbakam | Bélgica, 2018, 70’)
PAHOKEE (dir. Ivete Lucas, Patrick Bresnan | Estados Unidos, 2019, 112’)
SEGUNDA VEZ (dir. Dora García | Bélgica, Noruega, 2018, 94’)
UMA CORRENTE SELVAGEM (Una Corriente Salvaje, dir. Nuria Ibáñez Castañeda | México, 2018, 72’)

UMA NOITE DE INVERNO (Gyeo-Wul-Ba-Me, dir. Woo-Jin Jang | Coreia do Sul, 2019, 92’)

OUTROS OLHARES | CURTA

AURORA (dir. Everlane Moraes | Cuba, 2018, 15’)
CARANGUEJO REI (dir. Enock Carvalho, Matheus Farias | Brasil, 2019, 23’)
NA BOCA DA MINA (En la Boca de la Mina, dir. Brandán Cerviño | Cuba, 2018, 22’)
POLIS (dir. Rafael Baptista | Brasil, 2018, 8’)
QUEBRAMAR (dir. Cris Lyra | Brasil, 2019, 27’)
SABÁ (dir. Sérgio de Carvalho | Brasil, 2018, 16’)
TUDO QUE É APERTADO RASGA (dir. Fabio Rodrigues da Silva Filho | Brasil, 2019, 27’)
UMA HISTÓRIA AFRICANA (A Story from Africa, dir. Billy Woodberry | Portugal, 2018, 32’)
TERRA ABENÇOADA (Một Khu Đất Tốt, dir. Phan Ngoc Lân | Vietnã, 2019, 19’)
ENCLAUSURADO (ΚΛΕΙΣΑΜΕ, dir. Sol Prado | Espanha, 2019, 22’)
INSTRUÇÕES PARA FAZER UM FILME (Instructions on How to Make a Film, dir. Nazli Dinçel | Estados Unidos, 2018, 14’)
LINHAS DE RISO (Lachfalten, dir. Patricia Wenger | Suíça, 2018, 6’)
MAKE IT SOUL (dir. Jean-Charles Mbotti Malolo | França, 2018, 15’)
OMARSKA (dir. Varun Sasindran | França, 2018, 19’)