Saltar para o conteúdo

Notícias

Academia é contestada após excluir categorias da transmissão do Oscar


Uma nova bomba atingiu Hollywood essa semana: a Academia decidiu por excluir as categorias de Fotografia, Edição, Curta Live-Action e Figurinos e relegar as mesmas a serem informadas em pausas comerciais.

A indústria não perdeu tempo e uma lista cada vez maior de cineastas, atores, diretores de fotografia e outros profissionais estão promovendo um abaixo-assinado para a Academia reverter a decisão. 

Em seu Twitter, Guillermo del Toro, último vencedor de Melhor Filme e Melhor Direção por A Forma da Água, comentou que "Fotografia e Montagem são o coração do que fazemos. Não são herança do teatro e da literatura: são cinema em si". Por sua vez, Alfonso Cuarón, um dos principais candidatos ao Oscar esse ano por Roma, postou: "na história do cinema, já existiram filmes sem som, sem cor, sem história, sem ator e sem música. Nenhum mero filme existiu sem fotografia e sem montagem". 

Spike Lee, que concorre ao Oscar por Infiltrado na Klan, comentou a controvérsia: "Eu odiei [a decisão]. Como diretor, sem meu diretor de fotografia, editor, cabelo e maquiagem, não existe o filme. E a Academia os marginalizou".

O atual presidente John Bailey confirmou que a Academia "continua honrando as conquistas de todas as 24 premiações no Oscar e, em carta aberta aos seus membros, assegurou que "nenhuma categoria de premiação no nonagésimo primeiro Oscar será apresentado de maneira que retrate que as conquistas de seus indicados e vencedores valham menos que os outros".

Confira a carta abaixo:

"Uma carta aberta à Academia de Artes e Ciências Cinematográficas e os produtores da transmissão do Nonagésimo Primeiro Prêmio Anual da Academia:

Em 11 de fevereiro de 2019, John Bailey, Presidente da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, anunciou que as apresentações desse ano para Melhor Fotografia - ao lado de Melhor Edição, Curta Live-Action e Maquiagem - não serão transmitidos ao vivos, mas sim informados durante uma pausa comercial. Essa decisão foi feita para reduzir a duração da apresentação de quatro horas para três. A resposta vocal de nossos companheiros e o rechaço imediato de líderes da indústria sobre a decisão da Academia deixa claro que não é tarde para reverter a decisão.

A Academia foi fundada em 1927 para reconhecer e exaltar a excelência nas artes cinemáticas, inspirar imaginação e ajudar a conectar o mundo através da mídia universal dos filmes cinematográficos.

Infelizmente, nos desviamos dessa missão em nossa perseguição de apresentar entretenimento mais do que apresentar uma celebração da nossa forma de arte e as pessoas por trás disso.

Relegar esses trabalhos cinemáticos essenciais para um status inferior nessa cerimônia não é nada menos que um insulto para aqueles entre nós que devotaram nossas vidas e paixões para as nossas profissão escolhidas.

O diretor do show, Glenn Weiss, disse que ele vai determinar que momentos "emocionalmente ressonantes" dos quatro discursos ganhadores serão selecionados para serem transmitidos depois na cobertura. O show irá cortar qualquer comentário adicional de apresentadores, bem como qualquer recitação dos indicados da forma que julgarem melhor.

Nós achamos que essa abreviação e potencial censura são contrárias ao espírito da missão da Academia.

Desde sua criação, a transmissão televisiva do Prêmio da Academia foi alterado com o tempo ara manter o formato fresco, mas nunca sacrificando a integridade da missão original da Academia.

Quando o reconhecimento daqueles responsáveis pela criação de um cinema espetacular é diminuída pela própria instituição que tem como propósito proteger o mesmo, então nós não estamos mais exaltando o espírito da promessa da Academia de celebrar filmes como uma forma de arte colaborativa.

Para citar nosso colega Seth Rogen, "que jeito melhor de celebrar as conquistas de um filme do que NÃO honrar publicamente as pessoas cujo emprego é literalmente filmar as coisas."

Abaixo assinado,

Diretores de Fotografia 

Dion Beebe
Bill Bennett
Roger Deakins
Peter Deming
Caleb Deschanel
Robert Elswit
Mauro Fiore
Greig Fraser
Janusz Kaminski
Ellen Kuras
Ed Lachman
Robert Legato
Emmanuel Lubezki
Anthony Dod Mantle
Seamus McGarvey
Chris Menges
Dan Mindel
Reed Morano
Rachel Morrison
Guillermo Navarro
Phedon Papamichael
Wally Pfister
Rodrigo Prieto
Robert Primes
Robert Richardson 
Linus Sandgren
John Seale
Newton Thomas Sigel
Vittorio Storaro
John Toll
Hoyte van Hoytema
Kees van Oostrum
Roy Wagner


Diretores 


Damien Chazelle
Cary Joji Fukunaga
Spike Jonze
Ang Lee
Spike Lee
Dee Rees
Seth Rogen
Martin Scorsese
Quentin Tarantino


Outros


Kym Barrett

Judy Becker
Alan Edward Bell
Erin Benach
Avril Beukes
Consolata Boyle
Maryann Brandon
Alexandra Byrne
Milena Canonero
Chris Corbould
Hank Corwin
Tom Cross
Nathan Crowley
Sophie De Rakoff
Chris Dickens
Bob Ducsay
Lou Eyrich
Dante Ferretti
Paul Franklin
Dana Glauberman 
William Goldenberg
Affonso Goncalves
Adam Gough
Jon Gregory
Dorian Harris
Joanna Johnston
Paul Lambert
Mary Jo Markey 
Joi McMillon
Ellen Mirojnick
Stephen Mirrione
Bob Murawski
John Ottman
Sandy Powell
Fred Raskin 
Tatiana S. Riegel
Elísabet Ronaldsdóttir
Mayes Rubeo
Nat Sanders
J.D. Schwalm
Anna B. Sheppard
Terilyn A. Shropshire 
Joan Sobel
Michael Tronick
Mark Ulano
Martin Walsh
David Wasco
Billy Weber
Julie Weiss
Michael Wilkinson
Hughes Winborne
Janty Yates

Comentários (2)

CitizenKadu | sexta-feira, 15 de Fevereiro de 2019 - 19:14 | Responder

"Infelizmente, nos desviamos dessa missão em nossa perseguição de apresentar entretenimento mais do que apresentar uma celebração da nossa forma de arte e as pessoas por trás disso."
CHUUUUPAAA!

Faça login para comentar.