Saltar para o conteúdo
7,6
Usuários
91 votos
?
Sua nota
Direção
Jean-Luc Godard
Roteiro:
Jean-Luc Godard
Gênero:
Comédia, Drama
Origem:
França
Duração:
96 minutos

Um grupo de estudantes franceses se tranca em um apartamento durante as férias e, enquanto discutem sobre diferentes temas político-sociais, também planejam ações terroristas.

Elenco

Anne Wiazemsky
Veronique
Jean-Pierre Léaud
Guillaume
Juliet Berto
Yvonne
Michel Semeniako
Henri
Lex De Bruijn
Kirilov
Omar Diop
Omar
Francis Jeanson
Francis
Blandine Jeanson
Blandine
Eliane Giovagnoli
Son ami

Lupas

Faça login para dar uma nota e uma lupa.

  • Precisa ser delicadamente bem interpretado. Não como um filme socialista, mas como um filme que se propõe a discutir uma juventude romantizada e quase perdida, entre a ficção e o real, entre o cinema e a política.

  • O diretor explodiu em experimentalismo e nos chocou.

  • Godard propõe uma espécie de reflexão - talvez seja mais uma representação - de certa alienação política da juventude francesa no final da década de 60. Para muitos, uma antecipação dos eventos de maio de 68. E não, não está datado como dizem alguns.

  • Espécie de Manifesto Comunista no cinema, c/ toda estética característica do Godard, que antes de tudo se torna um retrato (e crítico, claro) da intelectualidade estudantil francesa pré-Maio de 68, passando pela decepção soviética e pela esperança chinesa

  • Envelheceu muito mal, e a direção é medieval. Um documento histórico regular, mas como cinema não funciona bem.

  • É legal analisar um cineasta tentando investigar um mundo tão complexo. Caso raro e não-acidental onde a espiral tradutória das ideologias do filme acaba por contribuir para a expansão dos sentidos da obra.

  • Crítica ácida de Godard que ficou datada e sofre com pelo seus excessos, mas ainda tem uma grande força

  • Analisando-se o filme isoladamente, pode até soar como uma crítica à alienação dos jovens à época, porém, tendo-se em vista toda a obra do diretor - bastante explícita em seus outros filmes - nota-se que as personagens são, na verdade, o próprio Godard.

  • Afirma e põe em cena os discursos a quente: maoísmo, marxismo-leninismo, anarquismo, situacionismo, terrorismo, cinefilismo. Filme-aparelho que nos captura e de onde saímos exaustos e confusos, nunca bem informados ou satisfeitos com o saber adquirido.

  • 16/10/10

Comentários (0)

Faça login para comentar.