Saltar para o conteúdo
8,5
Média
169 votos
?
Sua nota
Direção
Peter Bogdanovich
Roteiro:
Joe David Brown (romance), Alvin Sargent (roteiro)
Gênero:
Comédia, Drama
Origem:
Estados Unidos
Duração:
102 minutos
Prêmios:
46° Oscar - 1974, 31° Globo de Ouro - 1974

Lupas (21)

  • Mistura de Bonnie & Clyde com Central do Brasil. Bogdanovich retorna ao cinema áspero em P&B de A Última Sessão de Cinema, do qual também compartilha o ambiente do inteiror de algumas décadas atrás. Porém, Lua de Papel encontra a sua singularidade no humor e na veia travessa adquirida pela garota. O'Nel, numa ótima interpretação, é um amor de menina; mal humorada, fria e desonesta. E em meio a toda essa sujeira, há também uma belíssima relação de amizade que está entre o sensível e o rude.

    César Barzine | Em 20 de Junho de 2021 | NOTA: 8.5
  • Uma jornada cativante de dois picaretas de diferentes gerações pelo interior dos EUA, captada por uma bela fotografia em preto e branco. Tem um bom roteiro que valoriza a construção do afeto e o estreitamento dos laços entre os personagens. Traz uma das melhores performances infantis no cinema, que rendeu um merecido Oscar para Tatum O' Neal. Poderia só ter fechado de uma forma mais aberta à interpretação livre do espectador.

    Anderson Paz | Em 29 de Setembro de 2020 | NOTA: 8.5
  • O último filme bom de Bogdanovich é também a sua obra-prima. Brilhante fotografia, condução de roteiro e química magistral da dupla principal. Uma emocionante jornada aos anos 30 vista pelos olhos de uma criança

    Daniel Lucena | Em 31 de Agosto de 2020 | NOTA: 9.5
  • Numa das maiores interpretações infantis já vistas, Lua de Papel encanta e emociona. É para ver sem cansar.

    Luiz Henrique C. Batista | Em 13 de Junho de 2020 | NOTA: 10.0
  • A dupla de trapaceiros mais carismática do cinema. A atuação de Tatum O'Neal é surpreendentemente encantadora, sua personagem passa por situações politicamente incorretas que tornam o filme quase inacreditável.

    Bruno Ricardo de Souza Dias | Em 12 de Maio de 2019 | NOTA: 8.5
  • O filme mais agradável/divertido já feito, depois de Quanto Mais Quente Melhor. Addie é uma graça e mereceu o Oscar que levou. "How much did you get?" "$625. 625 dollars and he bought his own whiskey"

    Pedro Degobbi | Em 13 de Dezembro de 2017 | NOTA: 10.0
  • Garantia de boas risadas e uma história incrivelmente carismática com personagens que em teoria deveriam propor exatamente a antítese do carisma. Existe beleza na sujeira e na vigarice também.

    Eliezer Lugarini | Em 17 de Novembro de 2017 | NOTA: 7.5
  • O clássico trambiqueiro simpático, a clássica garota irritante que conquista qualquer coração, depois do grande feito em seu filme anterior, Bognadovich filma em preto-e-branco para dar um tom de realidade, aquele típico filme de "pai e filha" que encanta

    Cleber Eldridge | Em 18 de Agosto de 2017 | NOTA: 9.0
  • 14/09/10 -Um divertido road-movie em que se destaca a atuação da garota Tatum O´Neal no papel da carismática Addie. A maneira que o vigarista e a garota se envolvem é tocante e divertida.

    Eduardo Scutari | Em 06 de Maio de 2017 | NOTA: 8.0
  • Obra-prima de quilate ímpar que resume (e humilha) a maioria das carreiras modernas de drama, ou comédia. Entre o riso e o choro que dividem às vezes o mesmo plano, tipos como Thomas Anderson e Alexander Payne mantêm esse diamante na cabeceira.

    Douglas Rodrigues de Oliveira | Em 02 de Novembro de 2016 | NOTA: 9.5
  • Um dos filmes mais lindos, clássicos e imorais que eu já vi. Uma fábula da marginalidade. Belíssima fotografia, texto fluido, a menina é um fenômeno e casa muito bem com o Ryan ONeal

    Josiel Oliveira | Em 22 de Abril de 2015 | NOTA: 9.5
  • Quem pode resistir a essa improvável dupla de trambiqueiros? Caprichando na incorreção política - aos olhos de hoje -, o roteiro nos dá uma volta e nos faz torcer por eles, como vítimas de um exímio mão leve.

    Patrick Corrêa | Em 14 de Janeiro de 2014 | NOTA: 9.0
  • Genialmente bem concebido,consegue o tom exato,um equilibrio notável de sentimentos.Engraçado sendo inteligente,triste sem depressão. Agradeçamos a não-existência de babaquismo.A criança matraqueia,fuma e engana.Nada mais justo para um filme de golpe.

    Adriano Augusto dos Santos | Em 10 de Dezembro de 2013 | NOTA: 9.0
  • É no choque e companheirismo entre a velha e a nova (e radical) geração, as duas unidas no desafio ao sistema, que Bogdanovich propõe mais uma abordagem sobre sua visão do momento histórico que vivia, apoiado em ótimas atuações e personagens alegóricos.

    Bruno Kühl | Em 16 de Setembro de 2013 | NOTA: 8.0
  • A atuação de Tatum foi tão boa que vemos alguma coisa a mais. É assustadoramente brilhante! Dá medo de como ela se mostrou madura (até mesmo para cigarros) em cena.

    Jefferson N. | Em 13 de Setembro de 2013 | NOTA: 10.0
  • Uma pérola.

    Angelão | Em 31 de Agosto de 2013 | NOTA: 8.5
  • A cumplicidade funciona por - além de se sustentar nas excelentes performances de Tatum e Ryan - rejeitar vitimização e outros métodos típicos para vender lenços de papel. Não significando, é claro, pobreza de sensibilidade; pelo contrário, há MUITA.

    Paco Picopiedra | Em 09 de Abril de 2013 | NOTA: 8.5
  • Técnica: 10 Ciência: 9.0 Arte: 9.0 Total: 9.33

    Ma Rodrigues Barbosa | Em 22 de Janeiro de 2013 | NOTA: 9.5
  • Addie em busca da figura paterna, e da figura materna, passando pela sua sexualidade. A chave são as duas sequências com a lua de papel. Filme lindo!

    Polastri | Em 12 de Agosto de 2012 | NOTA: 8.5
  • Divertido, carismático e com a melhor atuação mirim já feita. Tatum O'Neal digna de seu Oscar.

    Thiago de Andrade | Em 13 de Julho de 2012 | NOTA: 8.5