Saltar para o conteúdo
Direção
Dario Argento
Roteiro:
Dario Argento (roteiro)
Gênero:
Policial, Suspense, Terror
Origem:
Itália
Estreia:
31/12/1969
Duração:
110 minutos

Lupas (27)

  • Impressionante a capacidade de Dario Argento para criar cenas de absurda composição visual. 'Tenebre' é um verdadeiro balé regado a muito sangue e paixão pelo ato de encenar. Além de ser um dos grandes exercícios de metalinguagem do Cinema.

    Zacha Andreas Lima | Em 03 de Março de 2023 | NOTA: 9.0
  • Que filmaço do Argento. Direção mais uma vez impecável, as cenas de mortes são sensacionais, o roteiro é muito bom e tecnicamente é ótimo. A única coisa que não gostei muito foi as atuações, não são muito boas, mas também não são ruins, só não se destacam. O clímax é o ponto alto, sendo bem surpreendente em relação ao assassino. Tenebre prende do começo ao fim e tem várias cenas inesquecíveis. Até pra mim agora o melhor filme do diretor.

    Thiago Cavalcante Hércules | Em 18 de Janeiro de 2021 | NOTA: 9.0
  • Prefiro muito mais o cinema do Argento quando ele se mete à criar contos sem muito pé no chão como suspiria ou a mansão do diabo do que este exemplar copiado do próprio prelúdio para matar onde o espectador se limita a descobrir a identidade do assassino.

    Eliezer Lugarini | Em 30 de Outubro de 2019 | NOTA: 5.5
  • Consegue manter o suspense até o final, com boas mortes, embora não tenha a marca registrada de Argento tão forte como em outras obras.

    André Araujo | Em 24 de Agosto de 2019 | NOTA: 8.0
  • Clássico mistério/suspense que te prende até o final querendo saber a resolução do enredo. Funciona.

    César Costa | Em 15 de Agosto de 2019 | NOTA: 8.0
  • Tem alguns bons momentos e planos, mas seu tom metalinguístico bobo, suas terríveis atuações e um roteiro que se perde entre seu estilo e sua temática nunca saindo do obvio de Argento, deixa tudo uma experiencia desgastante.

    Leo | Em 28 de Dezembro de 2018 | NOTA: 5.5
  • Um cineasta muito mais preocupado com a sua própria linguagem do que com narrativa e/ou verossimilhança, Dario Argento pode até não ser um bom roteirista, mas é sem dúvida um dos mestres da forma. Um desfile de bom cinema barroco, estilizado e exuberante.

    Fabio Bach | Em 09 de Janeiro de 2018 | NOTA: 8.0
  • A precisa materialização dum ato de aniquilação meio ao desenvolver da obra, parafraseando o próprio cinema e suas nuances.

    Gabriel Fagundes | Em 18 de Novembro de 2015 | NOTA: 8.0
  • Já na década de 80 ainda consegue inovar na identidade do assassino e trabalha bem o mistério. Sexismo presente e argumental na trama, escritor sexista reprimido. A estética ficou meio brega, de um gênero decadente. Gemma, bem brega tb, mas muito style.

    Josiel Oliveira | Em 03 de Agosto de 2015 | NOTA: 7.5
  • Só o escritor sabe os bastidores do livro.

    Jules F. Melo Borges | Em 09 de Novembro de 2014 | NOTA: 7.5
  • Peter Neal, é o assassino mais inesperado da história do cinema, o mistério permanece até o último minuto. Aquele longo plano, onde a câmera de Argento passeia pelo prédio é uma das coisas mais lindas que já vi.

    Darlan Pereira Gama | Em 26 de Julho de 2014 | NOTA: 9.0
  • Argento opera a câmera com precisão cirúrgica, que alia a uma trilha sonora estranhamente dançante e a puxadas de tapete em quem permanece em busca da solução do mistério.

    Patrick Corrêa | Em 20 de Julho de 2014 | NOTA: 8.0
  • A citação de "O Cão dos Baskervilles" fez com que o filme me ganhasse completamente!

    Luis Felipe | Em 17 de Março de 2014 | NOTA: 10.0
  • Assim como "Profondo Rosso" é uma alucinante tensão do começo ao fim.

    Francisco César Costa Lins | Em 29 de Dezembro de 2013 | NOTA: 9.0
  • Sequências impossíveis, metalinguagem, lésbicas peladas, rock progressivo e muito, muito estilo na construção das cenas de violência. Como não gostar?

    Angelão | Em 16 de Março de 2013 | NOTA: 8.0
  • Mesmo que peque no ruim desenvolvimento da narrativa e péssimas atuações, Argento constrói uma exímia estética ótica, põe litros de sangue correndo, monta uma interessantíssima metalinguagem e faz da violência, novamente, uma espécie de poesia visual.

    Bruno Kühl | Em 05 de Janeiro de 2013 | NOTA: 8.0
  • Cumpre o que lhe é proposto: Fazer o sangue correr, espirrar e rolar o máximo possível. O contraste do vermelho do sangue com a cor predominante, o branco, é belíssimo, a cena de assassinato das lésbicas nos faz esquecer o enredo fraco, embora sem furos.

    Raique Tavares | Em 07 de Agosto de 2012 | NOTA: 9.5
  • Um sorriso involuntário aparecia em meu rosto a cada morte.

    Kaio Feliphe | Em 15 de Junho de 2012 | NOTA: 9.0
  • Se existisse apenas a sequência final na casa já deveria ser louvado por isso,completamente fascinante e assustadora.Especial mesmo.

    Adriano Augusto dos Santos | Em 09 de Maio de 2012 | NOTA: 8.0
  • Literatura,direção altamente estilizada,gore em profusão,bom roteiro.Um grandíssimo Argento.

    LSM | Em 22 de Abril de 2012 | NOTA: 9.0