Saltar para o conteúdo
8,0
Cineplayers
1 votos
8,2
Usuários
42 votos
?
Sua nota
Direção
Mikhail Kalatozov
Roteiro:
Viktor Rozov (peça e roteiro)
Gênero:
Histórico, Drama, Romance, Guerra
Origem:
União Soviética
Duração:
97 minutos
Prêmios:
11° Festival de Cannes - 1958

Durante os ataques alemães às tropas russas no estopim da Segunda Guerra, o jovem rapaz Boris decide se alistar, deixando sua amada Veronika à esperar por ele em Moscou. Com o passar dos meses, nenhuma notícia chega de Bóris, apesar das outras mulheres da vizinhança receberem com frequência cartas dos fronts, Veronika acaba se casando com Mark, um primo de Bóris. Mas o desespero e falta de aceitação dos absurdos da guerra fazem com que ela fique na eterna espreita, esperando a volta do antigo namorado.

Elenco

Tatyana Samojlova
Veronika
Aleksey Batalov
Boris
Vasili Merkuryev
Fyodor Ivanovich
Aleksandr Shvorin
Mark
Svetlana Kharitonova
Irina
Konstantin Nikitin
Volodya
Valentin Zubkov
Stepan
Antonina Bogdanova
Avó
Boris Kokovkin
Tyernov
Yekaterina Kupriyanova
Anna Mikhajlovna
Daniil Netrebin

Lupas

Faça login para dar uma nota e uma lupa.

  • O fim do regime de Stalin fez o mundo conhecer o cinema de Mikhail Kalatozov, uma impressionante combinação da profundidade de campo de Welles, dos planos-sequência de Ophuls e da carga dramática de Vidor e Borzage. Um verdadeiro assombro!

  • Uma história simples, como pano de fundo para uma tremática antiguerra, com alguns conceitos interessantes, pena que pouco desenvolvidos.

  • Se resume à alguns e esporádicos bons movimentos de câmera, travelings e planos-sequência, uma atriz principal que exala uma beleza exuberante e uma cena final carregada de certa emoção. Fora isso, é um filme comum e bastante desinteressante.

  • O flagelo da guerra, a espera inquietante; o sonho transformador... Kalatozov é a elegância do movimento, primazia da câmera e sua predisposição a compor sentimentos - anseios em imagens. Cinema de beleza singular, mecanismo vivo e da mais alta perícia.

  • Não tinha como não ganhar a Palma de Ouro! É mto refinamento artístico, na poética, na fotografia impressionante de S.Urusevsky, e em tudo que representa, não apenas no retrato histórico político, mas tb no q representou em termos de liberdade pós Stalin.

  • Esplendor técnico e história simples muito bem delineada fazem deste um dos gigantes do cinema de guerra.Realista mesmo,aqui são pessoas de fato. Interessante no pré e no pós.E quando vai ao combate é fugaz e primordial. Cena final de guardar no coração

  • A história pode parecer clichê (mas vamos dar um desconto, eles nem tinham tanto contato com Hollywood na época), mas a qualidade técnica e o final conseguem contornar as possíveis falhas.

  • A espera que consome, dilacera e, ainda assim, persiste como única razão de viver, até que se transforma em algo além.

  • 19/11/11-Acostumado ao cinema propaganda, o público da URSS recebeu de braços abertos esse sensível retrato das tristes consequências que a II Guerra deixou no país. Com atuações comoventes e cenas marcantes, o ponto forte da película é o uso das cameras.

Comentários (0)

Faça login para comentar.