Saltar para o conteúdo
6,3
Cineplayers
10 votos
7,6
Usuários
229 votos
?
Sua nota
Direção
Robert Stevenson
Roteiro:
Bill Walsh (roteiro), Don DaGradi (roteiro), P.L. Travers (livros)
Gênero:
Musical, Fantasia, Comédia, Drama
Origem:
Estados Unidos
Duração:
139 minutos
Prêmios:
22° Globo de Ouro - 1965, 37° Oscar - 1965

Filmes Relacionados

Uma babá com poderes mágicos (Julie Andrews) vai trabalhar na casa de um banqueiro frio para cuidar de seus filhos, que formam uma família feliz. As surpresas que a babá levará para a casa transformarão suas vidas.

Elenco

Julie Andrews
Mary Poppins
Dick Van Dyke
Bert / Sr. Dawes - Senior
David Tomlinson
Sr. Banks
Glynis Johns
Sra. Banks
Hermione Baddeley
Ellen
Karen Dotrice
Jane Banks
Matthew Garber
Michael Banks
Elsa Lanchester
Katie Nanna
Ed Wynn
Tio Albert
Reta Shaw
Sra. Clara Brill
Jane Darwell
Mulher dos pássaros
Reginald Owen
Almirante Boom
Don Barclay
Sr. Binnacle,o imediato
Arthur Treacher
O Policial
Arthur Malet
Sr. Dawes Júnior
James Logan
Porteiro do banco
Dal McKennon
Raposa / Cavalo / Repórter (voz)
Marni Nixon
Gansos (voz)
Daws Butler
Pinguim / Tartaruga (voz)
Ginny Tyler
Ovelhas (voz)

Lupas

Faça login para dar uma nota e uma lupa.

  • É um dos filmes mais famosos da Disney, talvez por ser um dos menos habituais também. É mais sombrio, reflexivo, de clima escuro como Londres e fará os pais pensarem mais do que os filhos. Fala muito sobre sua autora.

  • É indiscutivelmente datado, especialmente nos números musicas e efeitos especiais, mas também é indiscutivelmente charmoso e adorável, com Julie Andrews perfeita no papel de Poppins. Cansa um pouquinho, mas sustenta bem o status de clássico Disney.

  • A típica fábula padrão Disney. Divertido e reflexivo. Destaque para a montagem e efeitos visuais, em especial as cenas envolvendo atores e personagens animados. Julie Andrews, merecidamente, caiu nas graças do público e da crítica por sua Mary Poppins!

  • Mary Poppins nasceu datado. Os cenários são pesados. O humor de Dick Van Dyke não funciona. E a união de atores e desenhos animados no mesmo plano foi mais efetiva em Marujos do Amor. Minha Bela Dama, do mesmo ano, é muito mais filme.

  • Uma pena eu ter descoberto a magia deste clássico já na fase adulta. Contudo, fui levado a dar asas à imaginação e a cantar e dançar com Mary Poppins. Amei!

  • Uma grande bobagem. Infantil até a alma, mas esse não é o maior problema. Os números são fracos e os personagens muito sem graça, incluindo julie andrews que pra mim não é nada carismática.

  • Toda imagem em volta da personagem que da título ao filme é mais interessante que a obra em si. Um dos mais irritantes da Disney,

  • Tão ingênuo quanto encantador.

  • Pra mim, esse filme só não é nota 10 porque não vi nenhum ator negro nele, nem entre os mais distantes coadjuvantes, dançarinos ou figurantes, achei isso ruim. De resto, é um filme simplesmente espetacular sob todos os aspectos.

  • Perfeito que nem sua babá, resgatou um sorriso ingênuo em mim igual ao das crianças. Que trajetória gostosa de se acompanhar!

  • Ótima diversão. Julie Andrews é soberba.

  • O roteiro pode ser questionável tanto como o humor de Van Dick, e mesmo assim Mary Poppins brilha. É claro, as canções são irresistíveis.

  • O cenário que Mary Poppins (quase coadjuvante) chega pra mudar é bastante triste em vários aspectos, como as crianças relegadas pelo pai machista, pela mãe feminista e pelas empregadas atarefadas. O olhar infantil reina e justifica as estripulias.

  • O carisma da protagonista e das crianças leva o filme nas costas. Há sequências longas e desnecessárias em meio a uma história de entrega à pureza da infância, mas no geral é bom, embora sua mensagem seja óbvia e sua abordagem não desperte tanto interesse

Comentários (0)

Faça login para comentar.