Saltar para o conteúdo
7,8
Cineplayers
4 votos
7,8
Usuários
44 votos
?
Sua nota
Direção
Alberto Cavalcanti, Charles Crichton, Basil Dearden, Robert Hamer
Roteiro:
H.G. Wells (estória), E.F. Benson (estória), John Baines (estória e roteiro), Angus MacPhail (estória e roteiro), T.E.B. Clarke (diálogo adicional)
Gênero:
Suspense, Terror
Origem:
Inglaterra
Duração:
103 minutos

O arquiteto Walter Craig, procurando trabalho no campo, descobre-se tendo o mesmo pesadelo recorrente. Temendo o fim do sonho, que ele sabe estar chegando, precisa primeiro ouvir as histórias bizarras de todos os convidados duma reunião em uma casa tão estranha quanto os presentes.

Elenco

Mervyn Johns
Walter Craig
Roland Culver
Eliot Foley
Mary Merrall
Mrs Foley
Googie Withers
Joan Cortland
Frederick Valk
Dr. Van Straaten
Anthony Baird
Hugh Grainger
Sally Ann Howes
Sally O'Hara
Basil Radford
George Parratt
Michael Redgrave
Maxwell Frere
Barbara Leake
Sra. O'Hara
Miles Malleson
Motorista do carro fúnebre

Lupas

Faça login para dar uma nota e uma lupa.

  • Uma genial sequência de histórias sombrias, à lá The Twilight Zone, que forma um filme coeso e bem trabalhado no suspense. Fora a sequência cômica do golfe, que destoa de todo o resto, todas as tramas são brilhantemente conduzidas.

  • Precursor dos filmes de horror episódicos, com uma trama engenhosa que interliga histórias sobrenaturais. Há momentos melhores que o geral, e não está entre as grandes realizações de horror da época (Tourner, Ulmer, etc), mas segue um filme encantador.

  • A história central - e todas as sub-histórias, menos a do golfe - são de arrepiar o último pêlo da espinha. Espetacularmente climático.

  • Um terror psicológico, com sua narrativa circular e sombria, em clima de pesadelo infinito. É também um primor de unidade, todos os contos são coesos com a atmosfera inquietante da obra (no caso do golfe é puro humor negro). Horror de primeira grandeza!

  • Tem todo a inocência e o charme de um bom terror clássico, no clima e na atmosfera. O segmento do ventríloco é o melhor disparado, inclusive em termos de direção. E o final clichê master é style.

  • Preciosidade que merece ser descoberta. Claro que, como é dividido em histórias narradas pelos personagens, algumas são melhores que as outras (destaque para a do espelho e a do ventríloco). Mas o clima de paranoia perpassa todas, incluindo o ótimo fim.

  • O episodio do ventríloquo dirigido pelo brasileiro Alberto Cavalcanti é excelente. Ele poderia ter feito um filme só pra ele....

  • As diversas histórias são bem amarradas ao tema principal, apesar de irregulares. Na verdade, o argumento central basta por si mesmo; os contos paralelos são meros penduricalhos.

  • Apesar de realmente não amedrontar em nenhum momento, há bons momentos atmosféricos como a sequência do espelho e do ventríloquo, que garantem que o ar misterioso não se esvaísse pelos demais contos mais fracos. Mas o final e suas conexões são dignos.

  • Apesar das histórias estarem mais do que ultrapassadas, o que se manteve é a eficiência com que elas são contadas e unidas num bom final, garantindo um pequeno clássico que ajudou a abrir as portas para as antologias de horror no cinema e televisão.

  • A ideia do roteiro é certamente interessante, mas as subtramas paralelas (parecidas com os episódios de "Além da Imaginação", incluindo um tolo dos "golfistas") não formam um conjunto coeso, ainda que haja uma intenção falha de uni-las no desfecho.

  • 17/10/15

Comentários (0)

Faça login para comentar.